';
Goiás - retomada_Caldas Novas_capa

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Com volta dos eventos, Goiás terá mais fôlego na retomada

Por Camila Gallate 16 de outubro de 2020

Depois de mostrar como anda a situação na região Sul, a reportagem do Hotelier News parte rumo ao Centro-Oeste. E começamos a viagem por Goiás, estado com destinos de lazer consolidados e segmentos Mice e corporativo movimentados. E, para construir esse cenário, ouvimos atores de todas as áreas do setor: redes, resorts e a hotelaria independente.

“É notório que as cidades turísticas do interior do estado, como Pirenópolis, Caldas Novas e Aruanã, têm sido mais procuradas. Lazer e ecoturismo estão com demanda maior. Na capital, que é mais corporativa e de eventos, a procura é menor.” A afirmação é de Fernando Carlos Pereira, presidente da ABIH-GO, que traz um retrato similar a de outros estados.

“Como até semana passada os eventos estavam proibidos, o mercado não está aquecido na capital. Na região metropolitana de Goiânia, temos o turismo religioso em Trindade, que também está devagar”, destaca. “O perfil do público que vai até lá é formado por idosos, pertencentes ao grupo de risco. Então, o movimento por lá está bem baixo.”

Quanto à ocupação, os números chegaram a patamares muito abaixo do que a hotelaria goiana estava habituada. “O primeiro semestre foi um período muito difícil. A taxa de ocupação não atingiu 10%. E, em algumas cidades goianas, o fechamento de hotéis foi total por certo período”, destaca Pereira.

Mesmo diante de limitações, grande parte da hotelaria goiana já retornou às atividades. “No momento, cerca de 90% dos empreendimentos do estado já estão funcionando, porém com restrições de capacidade”, aponta Pereira. “Pelas informações que levantamos, o fechamento definitivo de hotéis no estado foi em torno de 10%”, completa.

Goiás e os hotéis

Aberto durante todo período de pandemia, o Castro’s Park acompanhou de perto as baixas no setor. “No início, foi obrigatório o fechamento. No entanto, quem estivesse com hóspedes poderia manter as portas abertas. E foi o que fizemos”, explica Olavo de Castro, diretor de Habitações. “Logo na sequência, foi liberado atender ao público essencial, então nós nunca fechamos”, acrescenta.

Quanto à ocupação no período, Castro conta que a situação foi crítica, mas vem crescendo. “Em abril, atingimos 2% de ocupação. Em maio, chegamos a 5% e, em junho, fomos para 10%. Julho aumentou pouco, na faixa de 20%. Fechamos agosto com 27% e, agora em setembro, foi o primeiro mês que não tivemos crescimento no indicador”, explica.

Com seis empreendimentos no estado, a Atlantica Hotels International assiste a uma retomada mais rápida, e se planejou para isso. “A ocupação dos hotéis tem melhorado mensalmente. Hoje, a média está em 50% acumulado e tivemos picos de 65% nos últimos dois meses”, pontua Alexandre Barros, diretor de Operações. Segundo ele, a expectativa é que, com maiores liberações, os números voltem a crescer. “Por decreto estadual, os hotéis ainda têm limitação de 65% da capacidade”, explica.

Na Aviva, as atividades foram paralisadas em 22 de março, com a reabertura iniciada de forma gradual em julho. “O período em que suspendemos as atividades foi importante para revisitarmos processos e abrir com rígidos protocolos de segurança”, avalia Miguel Diniz, recém-anunciado como gerente geral de Marketing & Vendas da Aviva.

“Vale comentar que temos o Aviva Vacation Club, de férias compartilhadas, e que conta com 35 mil clientes na base. Durante o período em que suspendemos as atividades fizemos um forte trabalho com esses clientes. Inclusive, conseguimos remarcar 96% das reservas”, completa.

Goiás - retomada_Alexandre Barros

Segundo Barros, hotéis da Atlantica em Goiás tiveram picos de 65% de ocupação nos últimos meses

O público da retomada goiana

Mesmo sem eventos, os hotéis da Atlântica continuam a receber executivos. “O hóspede de negócios continua sendo o mais assíduo. Notamos que este público corporativo tem permanecido mais dias, mas com retornos ao destino menos frequentes”, comenta Barros. “O público de lazer, formado por famílias e casais que querem se divertir com segurança, também tem aumentado.”

Já o Castro’s Park hospedou no início da pandemia muitos trabalhadores de serviços essenciais. “Profissionais da saúde e de companhias elétricas, por exemplo”, explica Castro. “Depois, recebemos pessoas com negócios na cidade que precisavam viajar. Aos poucos esse público de negócio foi crescendo”, acrescenta.

O retorno do futebol também ajudou a alavancar os números durante a pandemia. “Goiás tem dois times da Série A do Brasileirão: Goiás e o Atlético Goianiense. Com isso, temos tido um volume de times de futebol se hospedando conosco”, revela Castro. Ele acrescenta que o hotel experimenta uma inversão nos dias mais demandados. “Nossa ocupação maior sempre foi durante a semana. Agora, o sábado tem sido a nossa maior ocupação”, pontua.

Já na Aviva, sem a opção dos eventos, é o lazer regional que garante a ocupação do complexo em Rio Quemte. “Temos observado muitos hóspedes que estão vindo de carro e de cidades mais próximas”, revela Diniz. O executivo destaca ainda números da Fecomercio de Goiás, que apontam para a total paralisação do segmento Mice.

“São 150 centros de convenções, salas e salões de hotéis fechados (no estado). Inclusive a área mais prejudicada é dos eventos, já que é a única atividade que ainda não retornou do fechamento para contenção do coronavírus”, diz Diniz. “Tanto Rio Quente Resorts quanto o Hot Park estão operando com uma capacidade máxima de ocupação de 50%”, completa.

Goiás - retomada_Miguel Diniz

Diniz: 2020 não é perdido e, apesar dos desafios, o ano trouxe muitos aprendizados para a Aviva 

Recuperação de caixa

Para o Castro’s Park, o ano fica marcado pela tentativa de reduzir ao máximo os danos provocados pela pandemia. Segundo o diretor do hotel goiano, as perdas levaram a dispensas na equipe. “Começamos o ano com 127 colaboradores e terminaremos com 74. Por mais que façamos todas as negociações, há ainda o custo de desligamento”, explica Castro. “Vamos ter uma faixa de R$ 3,5 milhões de prejuízo no ano”, prevê.

Por outro lado, a Atlantica encontra uma situação um pouco mais favorável. “Já atingimos o ponto de equilíbrio em alguns hotéis. Acreditamos que a retomada aos patamares anteriores será no segundo semestre de 2021”, estima Barros. Mais ainda, o executivo vê valiosos aprendizados ganhos na pandemia. “Não falamos em recuperação neste ano, se compararmos aos patamares anteriores. No entanto, não é um ano perdido. Com certeza foi e ainda está sendo difícil, mas fomos surpreendidos positivamente em Goiás.”

Visão parecida tem a Aviva. “Não consideramos que seja um ano perdido. Com isso tudo estamos tirando muitos aprendizados, revendo processos, tornando o nosso negócio ainda mais ágil e digital”, revela Diniz. “Gradualmente, as pessoas retomam projetos de viagem, inclusive o turismo nacional, sobretudo o rodoviário, começa a mostrar sinais de recuperação. Deve ser uma tendência de viagem que irá crescer daqui em diante”, completa.

Já o presidente da ABIH-GO aguarda com ansiedade a recuperação mais forte do segmento Mice. “A retomada na capital vai se destacar a partir de agora que os eventos foram autorizados”, aposta Pereira. “Foi liberado para até 150 pessoas, com distanciamento de um metro das cadeiras e respeitando o limite de 50% de ocupação”, acrescenta Castro. “Só essa pequena liberação já deve trazer aumento de ocupação”, finaliza.

(*) Crédito da capa: Secom/Prefeitura de Caldas Novas

(**) Crédito das fotos: Divulgação/Aviva e Atlantica Hotels International