Ano positivo rende ocupação média de 61% para hotelaria de Salvador

salvador - abihEm Salvador, diária média permaneceu estável e RevPar subiu 10%

A temporada 2018 tem sido período de retomada para a hotelaria da capital baiana. Depois de amargar índices negativos no ano passado e ter 21 unidades fechadas entre 2014 e agosto – conforme informou a ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis) –, a atividade voltou a ter bons números. Um levantamento feito pela fração estadual da associação hoteleira mostra que, de janeiro a novembro, a ocupação média na cidade foi de 61,93%. O indicativo está 10% acima dos 56% anotados no mesmo período em 2017.

A diária média nesse período permaneceu praticamente estável (R$ 226,51 em 2018 e R$ 226,26 em 2017). Já o RevPar cresceu R$ 126,92 no ano passado para R$ 140,29 em 2018. 

Glicério Lemos, presidente da ABIH baiana, destaca as ações de divulgação do destino como fator crucial para o rendimento. As iniciativas destacadas pelo dirigente são, quase sempre, resultados de parcerias entre a associação e a Secult (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo). "São ações que estimulam o crescimento e a retomada do setor turístico", diz. 

Hotelaria de Salvador em novembro

No recorte específico do mês de novembro, a taxa de ocupação foi de 68,10% (4% acima do verificado no ano passado) e diária média de R$ 220,26. Nesse mesmo período, o Revpar chegou a R$150. 

"Em novembro tivemos dois feriados prolongados. Eles estimularam o crescimento da taxa de ocupação. Em ambas as ocasiões tivemos média de taxa de ocupação em torno de 92%", informa Lemos. 

Para as datas que cercam o Réveillon, a expectativa é que os hotéis da cidade tenham de 90% a 93% das suas vagas preenchidas. 

Os números são fruto da Pesquisa Taxinfo, que é realizada mensalmente por uma parceria entre ABIH seções Bahia e Brasil.

(*) Crédito da foto: Felipe Dias/Unsplash

Comentários