MTur aposta no turismo doméstico como alavanca para a retomada do setor

MTurDurante transmissão, o ministro falou sobre as perspectivas para o setor após a pandemia

O MTur (Ministério do Turismo) tem vivido uma rotina marcada por reuniões buscando soluções para a sobrevivência do setor. Após debater ações com representantes do G20, a pasta realizou hoje (29), uma videoconferência com o BTG Pactual. Na ocasião, Marcelo Álvaro Antonio, ministro do Turismo, afirmou que o turismo doméstico pautará a retomada das atividades do país no pós-pandemia.

Segundo ele, o Ministério já está trabalhando em um plano que será puxado por uma grande divulgação dos destinos nacionais e a integração entre os modais de transporte, fazendo com que destinos próximos possam ser visitados em uma só viagem.“Vamos ter um amplo plano de promoção nacional do turismo brasileiro incentivando a nossa população a fazer o turismo doméstico e conhecer a nossa diversidade de destinos. Com isso, o objetivo é retomar o turismo do Brasil aos patamares já atingidos nos últimos tempos, transformando o potencial em realidade e em geração de emprego e renda para todos os brasileiros”, concluiu.

MTur: previsões

Durante a reunião com Chieko Aoki, fundadora da Blue Tree Hotels e o chairman da JHSF, José Auriemo, Antonio disse que a volta das atividades só será possível com a manutenção do mercado turístico. O ministro destacou a linha de crédito de até R$ 5 bilhões que deverá ser liberada pelo Ministério da Economia para ajudar os trabalhadores e empreendedores do Turismo do país. “Essa medida provisória vai atender em 80% os micros e pequenos e 20% as empresas de médio e grande porte que prestam serviços turísticos no país. Vamos trabalhar para que este recurso possa ser ofertado de forma atrativa e com facilitações”, pontuou.

No início do mês, o MTur publicou portaria que flexibiliza as regras de empréstimos do Fungetur (Fundo Geral do Turismo). Entre as medidas estão a redução dos juros para capital de giro de 7% para 5% ao ano e a ampliação da carência do início de pagamento das parcelas de 6 meses para 1 ano. A contratação do crédito é permitida a prestadores de serviços e que estejam devidamente inscritos no Cadastur, o cadastro oficial de operadores da área.

(*) Crédito da foto: Roberto Castro/MTur

 

Comentários