';

"Novas fases, muitas mudanças e novidades para vocês!"

Vinicius Medeiros
Editor-Chefe
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Puxado pela apetite das famílias, estoque de crédito cresce no país

Por Redação 27 de novembro de 2019

O estoque de crédito no Brasil subiu 0,3% em outubro sobre setembro, somando R$ 3,373 trilhões. No mês passado, houve nova alta nos financiamentos a famílias e baixa no saldo de empréstimos fechados por empresas, informou ontem (27) o BC (Banco Central). Embora não haja indicação de que esses recursos sejam direcionados para viagens, é mais um indicador de elevação de consumo.

No acumulado até outubro, o estoque geral de crédito no país cresceu 3,5%. Em 12 meses, houve alta de 6,3%, já superior ao percentual de 5,7% projetado pelo BC para o consolidado de 2019. “Temos visto que esse desempenho tem acontecido com uma redução de taxas e, em tese, taxas mais baixas estimulam a tomada de crédito, investimentos e ampliação de negócios e despesas de consumo”, avalia Fernando Rocha, chefe do departamento de Estatísticas do BC.

Rocha destaca ainda que a retomada da economia, ainda que gradual, e nova política de juros são fatores contribuem para o estímulo ao crédito. Outros dados reforçam a impressão. Segundo o BC, houve elevação de 1,1% em outubro sobre o mês anterior no estoque de crédito às pessoas físicas. No acumulado de 2019, o mesmo indicador avança 8,9% frente igual período do ano anterior.

Crédito - barateamento_internaEm outubro, estoque de crédito no Brasil somou R$ 3,373 trilhões

Barateamento do crédito

Em outro indicador otimista, os juros médios caíram 1 ponto percentual no custo dos financiamentos frente a setembro, a 35,9% ao ano. No crédito livre às pessoas físicas, a taxa do consignado de 20,9% ao ano representa a mais baixa da série histórica do BC, iniciada em 2004.

A diminuição dos juros tem ocorrido em meio ao ciclo de queda na taxa básica de juros, com ajuda na queda na inflação. O BC já sinalizou que a Selic, hoje em 5% ao ano, deve cair a 4,5% na sua última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) de 2019, em dezembro. 

(*) Crédito da capa: lkzmiranda/Pixabay

(**) Crédito da foto: joelfotos/Pixabay