';
Três perguntas para - Diego Corrêa

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Três perguntas para: Diego Corrêa

Por Camila Gallate 19 de novembro de 2020

Diego Corrêa Gonçalves, ou apenas Diego Corrêa, é figura conhecida dos eventos de hotelaria no país. Empreendedor, palestrante, especialista em marketing digital e desenvolvimento de negócios, ajudou a levar a tecnologia da HSystem para milhares de hotéis no país. Especialista em vendas diretas, é hoje (19) o convidado do Hotelier News no Três perguntas para.

Analista de sistemas formado pela Unipam (Centro Universitário de Patos de Minas), é um grande entusiasta de tecnologia. Mais ainda, acredita firmemente que inovação pode ajudar na prática a vida das pessoas agora e no futuro. Atual CMO (Chief Marketing Officer) da HSystem, conversou conosco sobre estratégias para a retomada e os planos da empresa para 2021.

Três perguntas para Diego Corrêa

Hotelier News: Durante a pandemia, as tecnologias ganharam destaque na comunicação da marca com o cliente. Quais as tendências do Marketing Digital para hotelaria? O que veio para ficar e o que é medida paliativa?

Diego Corrêa: A comunicação direta com as marcas e uso de serviços digitais por parte dos hóspedes são algumas das tendências que vieram para ficar. Hotéis que já tinham áreas digitais bem estruturadas ficaram à frente da concorrência, enquanto outros estão se adequando de forma acelerada. Os hotéis também tem que assumir a narrativa e dar as garantias de higiene e segurança que seu hóspede espera. Quando a medidas de transição, muitos hotéis adotaram com sucesso duas estratégias-chave: trabalhar a comunicação e o relacionamento com seus clientes fidelizados; e adequar o produto para o turismo doméstico.

HN: Há um ano a HSystem mirava um plano de expansão no Centro-Oeste. Como está o planejamento hoje? O que a empresa projeta para 2021?

DC: Como todos os nossos clientes são atualmente hotéis, sofremos tanto quanto o trade nos primeiros meses de pandemia. O planejamento de expansão para o Centro-Oeste continha estratégias presenciais e digitais. O plano em si não mudou, mas, neste momento, executamos primariamente a parte digital dele, e claro, sempre orientando-se pela análise de resultados. Em 2021, na medida do que for possível, retomaremos as ações presenciais. Também já temos a confirmação que faremos a terceira edição do HXperience, executado esse ano, considerada um grande sucesso por nós.

HN: Como ficam as estratégias de distribuição durante a pandemia? Até onde flexibilizar sem comprometer demandas futuras?

DC: As estratégias de distribuição têm variado por tipo de hotel e pela demografia das regiões. Alguns pontos interessantes que observamos para driblar a baixa demanda são: hotéis que dependem muito de aéreo formatando seu produto para o público doméstico; propriedades de perfil corporativo oferecendo opções de room office; criação de pacotes de final de semana no formato staycation, no qual o cliente simplesmente vai se hospedar para sair de casa, mas fica no mesmo destino; e desenvolvimento de novos planos de alimentação e pacotes com serviços incluídos. Desta forma, o hotel oferece upgrades ao hóspede a um custo efetivo menor, o que muitas vezes é mais vantajoso do que fazer um corte tarifário. É importante notar que, para vender agora, é necessário flexibilizar política de cancelamentos e remarcações. Isso torna especialmente desafiador tentar prever as demandas futuras neste momento. Por isso, o importante é acompanhar o mercado.

(*) Crédito da foto: Divulgação/Hsystem