';
Três perguntas para - Miguel Diniz

"Bem-vindos ao nosso novo portal! "

Peter Kutuchian
Founder & CEO
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Três perguntas para: Miguel Diniz

Por Camila Gallate 21 de outubro de 2020

O novo desafio profissional apareceu bem em meio à pandemia. De fato, assumir tamanha responsabilidade é uma tarefa e tanto para qualquer um, mas Miguel Diniz sabia onde estava pisando. Afinal, apesar de jovem, são quase nove anos de Aviva, onde atualmente é gerente geral de Marketing e Vendas.

Baseado em São Paulo, Diniz tem toda sua experiência na hotelaria na Aviva. Antes, atuou com gestão do relacionamento com clientes no segmento de Telecom. O profissional é graduado em Marketing pela Universidade Metodista de São Paulo. Concluiu ainda um MBA em Gestão de Marketing Estratégico na USP (Universidade de São Paulo).

Neste bate-papo de hoje (21) com o Hotelier News, Diniz falou um pouco sobre como anda a retomada da Aviva. Comentou também sobre eventuais impactos da crise nas festas de final de ano. Por fim, mostrou como a empresa vem tirando proveito dos efeitos da pandemia. Veja a entrevista completa abaixo.

Três perguntas para: Miguel Diniz

Hotelier News: Na sua avaliação, 2020 é um ano perdido, ou ainda será possível a recuperação?

Miguel Diniz: O turismo, assim como diversos setores, foi bastante impactado, mas retomamos as atividades de forma gradativa, sempre tendo como premissa a segurança, visto que ainda estamos em meio a uma pandemia. Gradualmente, as pessoas estão retomando seus projetos de viagem, inclusive o turismo nacional. O rodoviário, sobretudo, começa a mostrar sinais de recuperação e deve ser uma tendência de viagem que irá crescer daqui em diante. O que mudou foi a forma de viajar: álcool em gel, máscaras e distanciamento se tornaram essenciais em nossas rotinas e, mesmo em um momento de relaxamento e diversão, não poderia ser diferente. Por isso, é preciso estar atento aos protocolos de segurança para garantir uma boa experiência. Não consideramos que seja um ano perdido. Com isso tudo, estamos tirando muitos aprendizados, revendo processos, tornando o nosso negócio ainda mais ágil e digital.

HN: Quais as estimativas para chegar aos números pré-pandemia?

MD: Desde o momento que suspendemos as nossas atividades, iniciamos no nosso comitê de crise um trabalho muito focado com ações voltadas inicialmente para contenção, sobrevivência e prevendo o momento de recuperação. Tudo isso nos permitiu construir um plano estratégico de retomada robusto, que nos permite atravessar este momento tão desafiador. Estamos sendo bem-sucedidos no nosso plano de retomada, inclusive financeiramente. Estabelecemos metas, não apenas para garantir a chegada no ponto de equilíbrio, mas principalmente para garantir a sustentabilidade do nosso negócio. Com o empenho da nossa equipe temos superado mensalmente as nossas expectativas.

HN: Como ficam os grandes eventos como Natal e Réveillon? Qual será o impacto na hotelaria?

MD: Acreditamos no turismo brasileiro, na localização em que estamos e sabemos que os clientes estão buscando o que temos em nossos destinos. Refiro-me a espaços abertos, natureza e a oportunidade de sair de casa com toda a segurança. Sabemos que teremos ao longo deste ano, e também do próximo, uma circulação menor se comparado aos anos anteriores. No entanto, estamos otimistas que aos poucos os visitantes vão se sentir mais seguros em circular e retomar os seus planos de viagem. Claro que de forma consciente, principalmente fazendo o turismo nacional. Já temos a programação de Natal e Réveillon definida e, em breve, divulgaremos estas novidades.

(*) Crédito da foto: Divulgação/Aviva