';
setor de serviços - resultados de agosto

"Novas fases, muitas mudanças e novidades para vocês!"

Vinicius Medeiros
Editor-Chefe
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

Setor de serviços cresce acima do esperado em agosto, diz IBGE

Por Nayara Matteis 14 de outubro de 2020

Se em julho o setor de serviços teve alta abaixo do esperado, em agosto o cenário foi diferente. O volume do segmento no país cresceu 2,9% sobre o mês anterior, na terceira alta mensal do indicador, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgados pela Reuters. Na comparação com o mesmo período em 2019, esta foi a sexta queda consecutiva, na ordem dos 10%.

O desempenho do setor que responde por cerca de 60% do PIB (Produto Interno Bruto) do país veio um pouco melhor do que as expectativas de analistas que apontavam para uma alta mensal de 2,3% e um recuo anual de 10,7%, segundo pesquisa Reuters.

Em 12 meses, no entanto, o setor de serviços ainda tem queda de 5,3%, a mais elevada da série, que teve início em dezembro de 2012. E a alta acumulada desde junho, de 11,2%, não foi suficiente para recuperar as perdas de 19,8% registradas de fevereiro a maio.

Setor de serviços: aumento recorde

O crescimento do setor em agosto sobre julho teve o impulso de um aumento recorde de 33,3% nos serviços prestados às famílias, setor fortemente baqueado pelas medidas de contenção da disseminação do vírus da Covid-19 e que este mês teve seu desempenho puxado por restaurantes e hotéis, segundo o IBGE.

Na comparação com agosto, os serviços prestados às famílias (-43,8%), os serviços profissionais, administrativos e complementares (-14,0%) e os transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-8,5%) foram as principais influências negativas.

(*) Crédito da foto: Amanda Perobelli/Reuters