';

"Novas fases, muitas mudanças e novidades para vocês!"

Vinicius Medeiros
Editor-Chefe
Cursos
icone de um computador com um LMS (learn management system)
Confira nossos cursos

MGM Resorts tem dados de 11 milhões de hóspedes vazados

Por Redação 20 de fevereiro de 2020

MGM ResortsAccor, Marriott e Choice Hotels já passaram pelo mesmo problema

Cibersegurança ainda é um problema para muitas redes hoteleiras. Desta vez, a MGM Resorts foi vítima de violação de dados, segundo divulgado pelo Skift. O vazamento aconteceu no ano passado, afetando cerca de 11 milhões de hóspedes.

"No verão passado, descobrimos o acesso não autorizado a um servidor em nuvem que continha uma quantidade limitada de informações para certos hóspedes anteriores do MGM Resorts", disse um porta-voz da empresa em comunicado por email à Reuters.

Apesar do susto, nenhuma informação financeira, cartão de pagamento ou senha foi violado no incidente e, segundo a empresa, todos os clientes prejudicados foram notificados do ocorrido. A maioria dos dados divulgados foram nomes e números de telefone.

Segundo o site de tecnologia ZDNet, detalhes pessoais dos hóspedes foram compartilhados em um fórum de hackers na semana passada. As informações incluíam dados de celebridades, executivos, repórteres e funcionários do governo.

A MGM garantiu que contratou duas empresas de segurança cibernética para auxiliar nas investigações. A rede ainda alega que reforçou os bloqueios para evitar ataques e vazamentos futuros.

MGM Resorts: outros casos

Em 2018, a Marriott International foi atacada por hackers e 500 milhões de pessoas tiveram seus dados expostos. O material acessado era relativo às reservas feitas em propriedades da bandeira Starwood até setembro do mesmo ano. A empresa, por sinal, corre o risco de ser multada em  £ 99 milhões do ICO (Information Comissioner’s Office), órgão britânico de proteção de dados pessoais.

No ano passado foi a vez da Choice Hotels. A empresa teve registros de 700 mil clientes vazados e um pedido de resgate  no valor de 0.4 bitcoin, o equivalente a cerca de US$ 3.856 dólares.

O último caso que se teve relato foi do Gekko Group, subsidiária da Accor. A base de dados de 600 mil clientes foi afetada, porém a rede francesa não confirmou que o vazamento foi causado por hackers e garantiu que a segurança foi corrigida.

(*) Crédito da foto: Divulgação/Skift